Luz... luz... mais luz...

Luz... luz... mais luz...

sábado, 3 de maio de 2014

Pais e Filhos




Inicialmente confusa, esta música passa a ganhar muito sentido quando se deixa de pensar que ela tem um único narrador.
Na verdade, quando falo dela, gosto de pedir às pessoas que se obrigam a me escutar a pensar que que seus olhos são lentes e que eles têm a oportunidade de ver pequenos trechos da vida de outras pessoas.

vejamos: suas lentes (olhos) captam este primeiro diálogo. Estátuas, cofres, paredes pintadas (no sentido de quadros nas paredes) são símbolos de riqueza. Neste sentido, é como se perguntassem: Cara, como pode uma pessoa que tem dinheiro, que tem tudo na vida, ter se matado. E a resposta do ouvinte: _ Nada é fácil de entender…
E não é mesmo, pois há tantas pessoas que não tem nada disto e são tão felizes. Talvez nos falte perceber que o dinheiro compra a presença, por exemplo, mas não o amor de alguém. Estar presente não é o mesmo que estar junto.

Mas você precisa ver outras coisas e segue com suas lentes até a janela de um lar e pega esta cena: Um pai (ou mãe) no quarto de uma criança que acorda assustada no meio da noite lhe diz: Dorme agora… é só o vento lá fora… não parece uma canção de ninar? Dá quase pra sentir a proteção. É tipo: “Estou aqui, tudo vai ficar bem.”

Então suas lentes começam a presenciar várias pessoas e as diversos sentimentos que elas têm traduzidos em palavras:

“Quero colo!”, que indica a carência, normalmente dita aos melhores amigos, aos namorados, aos pais, mas nunca a alguém que não conta com a sua confiança. A clássica “Vou fugir de casa!” (note que ele estende o final da palavra, como se fosse um eco, como se muitas pessoas dissesssem estas frases). Que atire a primeira pedra quem nunca a disse ou a variante “Não vejo a hora de fazer 18 anos pra sair desta droga desta casa!”. Confesso que usava muito esta. Hoje, que já passei bem dos 18, ainda estou na mesma casa. Minha mãe é que me diz: “Meu filho, num tá na hora de tu sair de casa não?” E eu: “Calma mãe, que o bicho tá pegando lá fora!” rs

Outra clássica é: “Só vou voltar depois das três!!!”
Na minha época, os pais davam como horário limite pra voltar pra casa 11 horas… meia-noite no máximo. Sei que hoje, se o adolescente receber este horário, vai dizer: “Então nem vou!”, pois é neste horário que a balada está começando, mas este é o momento do conflito entre pais e filhos. Momento em que autoridade é questionada. Momento difícil pra ambas as partes.

“Meu filho vai ter nome de santo. Quero o nome mais bonito!”. Olha que da hora estes versos. Dá pra pensar no amor que a mãe ou o pai já tem por esta criança antes mesmo dela nascer. Poderia também ser o nome de um jogador de futebol, ou de um cantor conhecido. o grande barato é perceber o sentimento que vem junto com a frase.

É claro que você pode subtrair a sua idade toda e pensar nos seus próprios pais, antes de você nascer, dizendo: “Meu filho vai ter nome de santo. Quero o nome mais bonito!”

Como acredito que todos já perceberam a ideia, creio que podem imaginar a segunda parte da música sem minha intromissão.

Falarei agora só do refrão: a música é construída com frases que são ditas por pais e filhos. Pais e filhos possuem defeitos e qualidades, e não poucos os defeitos nem as qualidades.

O que poderia amarrar estas frases todas?

O Autor escolhe a ideia de que é preciso amar as pessoas, independente dos defeitos e qualidades que possuam, como se não houvesse amanhã. E talvez não haja mesmo. Às vezes magoamos pessoas queridas sem nos darmos conta de que talvez não tenhamos a oportunidade de nos redimir.
Somos gotas d’água neste oceano da vida e grão de areia neste deserto, mas fazemos parte dele.

O que você vai ser quando você crescer?

Talvez ainda não tenha percebido, mas quando você protege um irmão menor, quando impede que ele faça algo que pode machucá-lo, quando tira dele uma bala para não estragar os dentes, está agindo como seus pais.
Seus pais não te impedem de fazer as coisas porque são ruins e não querem sua felicidade. Eles só querem te proteger de males que sabem que a vida oferece.
É difícil pra eles também saberem que você está crescendo e que precisa de mais espaço.

Já percebeu o que você vai ser quando crescer?



Luz... luz... mais luz...




Nenhum comentário:

Postar um comentário